Percursos Interativos

"No fim da década de 90, participei, em Topoló (na fronteira entre  Itália e Eslovênia) de três jornadas da Stazione di Topoló, junto a intervenções de outros artistas internacionais por um mundo sem fronteiras. Nestes encontros minhas proposições integraram linguagens, participantes e moradores da cidade em performances, instalações, danças, cantos, vídeos.

O evento Átomo da Paz (agosto a novembro de 2000), na esteira da experiência iniciada na Itália, reuniu artistas de várias áreas, artesãos e aprendizes, em oficinas de trabalho com o intuito de criar uma ocupação artística participativa com ações cênicas e objetos concebidos e produzidos a partir de e para promover a Paz. Foi montado na casa do IPHAN -Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em Pirenópolis (GO), um cenário-instalação, onde os participantes eram convidados a ações efetivas pela Paz, num roteiro inspirado na Festa do Divino.

Em 2009, participei de uma residência artística no Centro de Artes Hooyming, em Mummak, na Coréia do Sul, para criar uma Jornada Interativa  junto a um grupo de teatro,  comunidade rural e  crianças. Aplicando os atributos do teatro construimos  um percurso interativo, integrando pesquisa sonora, canto, música, percussão, gesto, instalação, cena, e desenho.

Dando continuidade a esta jornada aprofundamos os trabalhos iniciados em 2000,  estreitando os vínculos com a comunidade pirenopolina com Jornadas Interativas (Prêmio FUNARTE/MINC Interações Estéticas Residências em Ponto de Cultura 2010, junto ao Ponto de Cultura COEPI).

Na sequência, fui autora, diretora e performer de “Um Canto Nambiquara”, reunindo música, desenho digital, gestualidade, canto e poesia, com apresentações em Goiânia, Pirenópolis e Olhos D’Água (GO), e que também integrou, junto com um sarau com artistas de Pirenópolis, a mostra “Nambi Naine - Ritmo e Movimento” de desenhos a nanquim e digitais (2011).

Em 2018, junto a equipe de artistas e parceiros da Escola de Teatro Basileu França  (GO), criamos o percurso interativo “Nossa Terra Desvendar”, integrando artistas, público e estudantes numa ação criativa conjunta com criações de desenhos, figurinos e cenas, sonoridades, movimentos, cantos e danças coletivas.

Esta experiência se propagou para São Paulo com a ocupacão artística “Canto Guardian: Trilhas por Julia Pascali”, que se desenvolveu no Astrolábio Ateliê et Galeria de 3 a 25 de Agosto de 2019, reunindo desenhos, vídeos, slideshows, instalacões, divulgação de site e performances participativas, trazendo à metrópole as cores, ritmos e pulsações da natureza e cultura do Cerrado goiano."