Julia Pascali

“O que busco criar é a expressão artística multidisciplinar de um ser harmonioso e integrado ao momento presente, privilegiando inclusão e diversidade. Utilizando treinamentos orientais, procuro abordar a harmonia e a concentração que propiciam uma expressão espontânea e de profunda identidade com nossas raízes.”

"Depois de viver entre alguns grupos indígenas brasileiros e com artistas orientais (Japão,  China e Coréia do Sul), minha visão sobre vida e arte ganhou nova dimensão. Na vida comunitária original não há separação entre vida, educação e arte. Quando uma pessoa conta uma história, ela faz uso de todos os recursos que estão ao seu dispor, um risco na areia, um grito primal, uma pedra caindo e, neste momento, não há distinção entre passado, presente ou futuro, a voz e o gesto daquele que conta é a mesma voz do ser primeiro e sua expressão. Assim, também, vivendo a cada dia em contato com todos os reinos da natureza (vegetal, animal, mineral, humano e estelar) em estado expandido de percepção, faço uso de tudo que está ao meu dispor e proponho ações criativas com o intuito de convidar a todos e a tudo ao deslumbramento cósmico e às práticas coletivas e pela Paz."

Os trabalhos de Julia Pascali ganharam um sentido comunitário, não-linear e desvinculado dos centros urbanos e da mídia convencional na convivência com várias culturas indígenas e com a cultura oriental.  Suas propostas se direcionam para as Artes Integradas onde os saberes da terra e a tradição oral se manifestam em sons, gestualidade, música, canto, teatro, dança, desenho e vídeo, integrando-se nas performances, proposições e percursos interativos com a participação da comunidade.

Julia Pascali, interatriz, performer, pesquisadora e doutora em Artes pelo Instituto de Artes da UNICAMP, Mestre pela Universidade Federal do Pará, foi professora da UFPA, da UNB, da UEG e da UFG, dedica-se, desde 1973, à arte da expressão cênica, privilegiando inclusão e diversidade, artes integradas e participativas. 

 Em 1984, iniciou a pesquisa intitulada Sincronicidade e Expressão com duplo veio: a vivência junto às populações nativas do Brasil, índios e ribeirinhos, e estudos da expressão, do movimento e da concepção artísticos orientais, buscando com isso integrar a expressão cênica e da vida cotidiana e saberes populares com os atributos de concentração, disciplina e síntese. 

Promove o encontro dos saberes indígena e oriental na condução de vivências holísticas integrando teatro, dança, música, artes plásticas, fotografia e vídeo, treinamentos de profissionais e trabalhos comunitários participativos.